Bem vindos ao blog Seu conhecimento faz a diferença.

Este blog é uma criação dos graduados do 6° semestre de Administração da Fundação Escola de
Sociologia e Política de São Paulo e tem por objetivo promover um espaço aberto para divulgação
e discussão de temas ligados à Gestão de Pessoas.

Navegue,comente e divulgue.

Seu acesso e participação neste blog faz toda a diferença!



segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Gestão de Pessoas - Origem e Evolução

 Origem

Na era da Teoria Clássica da Administração desenvolvida por Fayol,  o trabalhador era tido apenas e unicamente como uma peça da própria máquina que operava. Deste, eram aproveitadas toda sua força física e capacidade mental para proveito exclusivo da organização em que trabalhava.
A fim de explorar ainda mais este “recurso”, notou-se na época, a necessidade de manter um supervisor, responsável por delegar ordens e manter não só o ritmo das tarefas executadas como também a disciplina entre o grupo de trabalhadores, estabelecendo assim a relação chefe / subordinado.

Escola das Relações Humanas

Surgida como um movimento de oposição à Teoria Clássica da Administração, a Escola das Relações Humanas surgiu na década de 20 e teve como principal proposta, estabelecer um processo de maior humanização nas empresas; dando ao elemento humano sua devida importância.
Nesta abordagem, o homem passa a ser visto como um todo. Suas necessidades físicas, psicológicas, e sociais passaram a ser de interesse da organização;  já que esta compreendeu que o elemento humano é o capital mais precioso de uma empresa.
Aspectos relacionados à satisfação no trabalho, à interação entre as pessoas, individual e grupalmente, aspectos relacionados à motivação, à tomada de decisão e ao estudo dos perfis de liderança ganharam destaque a partir desta teoria.

Pirâmide de Maslow x Necessidades do Trabalhador  

Outros estudos relacionaram as necessidades humanas descritas na Pirâmide de Maslow, às necessidades do indivíduo dentro das organizações:  

    
 

Necessidades biológicas e fisiológicas: as empresas devem oferecer salários justos, horários adequados e intervalos de descanso;

      Necessidades de segurança: as empresas devem deixar claro para seus funcionários que estão dentro das normas de segurança;
 de trabalho; bem como oferecer benefícios, como seguro de vida, planos de saúde e de aposentadoria;

            Necessidades sociais: mostrar aos colaboradores por meio de projetos e palestras em grupo, a necessidade do trabalho em equipe e a importância das relações interpessoais;

      Necessidades do ego: reconhecer o trabalho e o esforço dos colaboradores por meio de elogios, promoções e premiações, não propriamente financeiras;

      Necessidades de auto-realização: viabilizar idéias dos funcionários, fazer com que estes participem das tomadas de decisões relacionadas ao seu trabalho; promover cursos de atualização e oferecer oportunidades dentro da empresa.

Outras pesquisas realizadas na época trouxe mais força à Teoria das Relações Humanas; nestes estudos os conteúdos emocionais passaram a ter maior importância, tendo como destaque os seguintes pontos:

      A produtividade é resultante da integração social: quanto mais integrado socialmente no grupo de trabalho, mais possibilidade e disposição para produzir, o empregado terá;

      Comportamento social do empregado: as pessoas se apoiam no grupo e não reagem isoladamente;

      As relações humanas: cada pessoa tem uma personalidade diferenciada e que influencia no comportamento do grupo; e é a compreensão da natureza destas relações que auxiliará o líder a extrair das pessoas e, consequentemente, do grupo; os melhores resultados.


A Evolução da Área de RH





A princípio, a área de Recursos Humanos tinha como propósito contratar e controlar o quadro de funcionários através de documentos, arquivos, folhas de pontos e pagamentos.
Com o surgimento da Teoria das Relações Humanas, substituindo a concepção do Homo economicus pelo Homo social, o RH passou a ter um papel fundamental na relação patrão / empregado. Conceitos sobre perfis de liderança, motivação e poder nas relações informais, se desenvolveram a parir desta fase.


Vale ressaltar que a evolução do RH aconteceu na medida em que o mundo; e, consequentemente, as empresas evoluíam. Neste contexto, o recurso humano passa a ser reconhecido como a fonte principal de mudanças dentro das organizações,  sendo o seu papel mais importante, agregar valor aos negócios da empresa.


A nova concepção do elemento humano dentro da empresa, fez surgir um novo profissional: o Gerente de RH; tendo este como papel principal, buscar, capacitar e desenvolver pessoas talentosas e com conhecimento e competências suficientes para ajudar na transformação da empresa; mas principalmente, acrescentar valor e tornar mais ricos os acionistas destas companhias.


A Gestão de Pessoas na Era do Conhecimento

O movimento da gestão de pessoas na era do conhecimento passou a ser mais valorizado nos anos 90; principalmente, com o advento da globalização. Saber passa a ser um diferencial competitivo para as empresas; que foram obrigadas  a repensar suas estratégias de pessoas e, principalmente, seus programas na área de RH; suas estratégias para atrair, desenvolver, compensar e reter o mais importante ativo da organização: AS PESSOAS!



Eliane Vitória


7 comentários:

gestão de pessoas disse...

Adorei o blog, e essa postagem em particular eu achei muito legal e interessante.

Alexandre Valdes

Valeria disse...

Muito interessantes as informações do blog. As transformações econômicas determinam a evolução da gestão de pessoas e a adaptação às novas exigências do mercado de trabalho torna-se um desafio do mundo moderno. Na França a gestão de pessoas aborda um conceito denominado “Climat Social” e foi o tema das pesquisas que realizei durante meu Master (Mémoire : “Les spécificités du métier des consultants en SSII à travers l’enquête de climat social” – 2009 – Master 1 Management et Ingénierie Economique - UFR Sciences Economiques et de Gestion - Université de Marne La Vallée). O assunto é profundamente complexo pois avaliar a associação dos aspectos humanos aos impactos econômicos requer a analise de dados subjetivos (como a satisfação, a motivação, a ética, o reconhecimento, ou a implicação de cada individuo à atividade profissional). A importância da gestão de pessoas se torna evidente quando conhecemos casos reais de um management bem o mal sucedido, cito o exemplo dramatico da empresa francesa de telecomunicações France Telecom, onde as condições de trabalho são apontadas como a causa do elevado indice de suicidios entre seus funcionarios.
Mais detalhes no artigo do blog em francês: http://jeanmarcelbouguereau.blogs.nouvelobs.com/archive/2009/09/09/suicides-a-france-telecom-lorsque-le-travail-devient-torture.html (titulo do artigo: “Suicidios na France Telecom: quando o travalho se torna tortura...”)
Enfim, a questão da relação entre a competitividade e os valores humanos é ainda um grande desafio à gestão de pessoas.

Valéria Albuquerque de Lima
Estudante - Université Paris 3 - Sorbonne Nouvelle
França

Airô Barros disse...

Parabéns pelo trabalho. Muito claro e esclarecedor. Sucesso!!! cheiros, Airô

Alana disse...

Parabéns ! o blog está bastante informativo.

Adorei este post bastante positivo sobre a importância do RH e da Gestão de pessoas

Fino disse...

Muito bom este post!
Conseguiu em poucas Linhas fazer um resumo sobre a evolução do RH e sua principal função nos dias de hoje.
Espero que o blog sempre mantenha este alto nivel de informações
Carlos Gouveia

SPACE NET disse...

Muito interessante suas descrições sobre a origem e a evolução da gestão de pessoas. Sou graduanda de Secretariado Executivo da UFC e me interesso pela área. Parabéns.

Daniel disse...

Ola Boa Tarde Elane ,
Gostei muito do material irei utilizar em um trabalho que tenho que realizar você poderia me informar qual livro ,autor ou fonte de pesquisa que utilizou para esse trabalho

Daniel Santos